sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Quer aprender a fazer uma guirlanda viva de suculentas?


Crie sua guirlanda de flores para decorar o seu espaço ao ar livre.


Siga o passo-a-passo:


O material utilizado:
- Armação para a guirlanda (redonda de plástico para não enferrujar)
- Juta ou telinha de arame
- Fio de nylon
- barba de velho (também conhecida como barba de pau), musgo verde, esfagno
- grampo para firmar as plantas
- suculentas variadas
- terra adubada ou turfa
- tesoura
- palito de sushi


Como montar:
   A montagem é simples, exige apenas um pouco de paciência.
   Para iniciar coloque sobre a mesa a juta e a armação por cima.  Faça um corte no meio da juta para poder fechar de um lado ao outro.  Coloque a terra e vá amarrando gradativamente com o fio de nylon, formando assim a coroa.
   Se você preferir fazer a coroa com a telinha, siga a mesma orientação do corte (com tesoura apropriada) no meio.  Por a tela ter mais abertura, coloque entre ela e a terra bastante esfagno, assim a terra não sairá pelos buraquinhos quando for colocar a água.  Vá apertando e moldando a coroa.               





É fácil decorar com as suculentas pela variedade de tipos, texturas e tonalidades.
Suculentas são ideais para guirlandas porque elas crescem lentamente. 








Corte as suculentas um ou dois dias antes de criar a sua guirlanda e também de 1 a 2 cm de comprimento, removendo folhas inferiores (permitindo que após o corte, durante a noite forme uma fina camada de células).








Molhe a guirlanda para deixá-la úmida, tirando o excesso de água e então comece a decorar a aplicação dos musgos e plantas suculentas.








Coloque uma cobertura de musgo, barba de velho e esfagno. 
Para fixar use o fio de nylon.





 Deixe sua imaginação e inspiração tomar conta neste momento da montagem e criação da sua guirlanda viva


Para criar um local para o plantio de cada haste, faça um furo no musgo usando um objeto pontiagudo, como a tesoura ou um palito de sushi.  Coloque  um corte de planta em cada buraco.  



Para segurar melhor inserir grampos fixando a planta ao musgo.  
As suculentas irão enraizar ao longo de suas hastes, mas antes disso estarão fixas e seguras pelos grampos.


















*** Dica:  A guirlanda está viva e as plantas continuarão a crescer.  Para mantê-la saudável, apenas use um borrifador de água (não muita) e, ocasionalmente, certifique-se de que tomará um pouco de sol.



quinta-feira, 14 de julho de 2011

Guirlanda viva

   Fotos do encontro de colegas de paisagismo para a confecção das guirlandas.  Estava Eu, Iara Machado e  Maria Amélia Souza Barros, que foi a orientadora do curso.
   Foi uma tarde maravilhosa, com amigas e colegas, trocando idéias, criatividade e muita energia boa.  Obrigado!!! 


segunda-feira, 23 de maio de 2011

Etapas de um Projeto Paisagístico

1. ESTUDO PRELIMINAR 


    Visita no local
  - É Fundamental para podermos observar o entorno e a sua influência na paisagem;
  - Verificar a orientação norte/sul como base na interferência da luminosidade do terreno, locais de sol e sombra nas diversas horas do dia, ajudando assim na escolha da vegetação; 
  - Pesquisar sobre os ventos dominantes no local;
  - Observar o solo, obtendo análise do seu pH;
  - Observar os sistemas de drenagem da casa e águas residuais, desde o telhado;
  - Observar os desníveis e ondulações no terreno, pois são dados que orientam soluções para o projeto, inclusive tornando-o diferenciado;
  - Reconhecer os locais por onde passam os sistemas de esgoto, gás e água, bem como as fiações de energia elétrica e telefone, com a intenção de evitar estragos ou reformas;
  - Fazer um levantamento de todas as medidas e locações das plantas e construções existentes;
  - Tirar algumas fotografias é de grande valia para o trabalho de escritório, principalmente quando a área a ser trabalhada fica distante;
  - Entrevistar o cliente, para diagnosticar seu desejo e necessidade, definindo o conceito do jardim.
Com esse levantamento, poderemos partir para a elaboração do projeto.


2. ELABORAÇÃO DO PROJETO

    Anteprojeto
    É a conclusão do processo iniciado no estudo preliminar.  Seu objetivo é mostrar as soluções definitivas em termos formais, estéticos e funcionais, as circulações, os equipamentos.  Enfim, o amadurecimento das idéias, características, estílos de jardins...rústico, moderno, formal, mediterrâneo, oriental, ou estilo tropical e a personalidade do projeto.  Apresenta a seleção de espécies, os materiais e os elementos construídos e as estimativas mais reais para a execução da proposta.
    No processo da criação é importante observar :

  - Princípios de Composição:
    1. Estudo das cores
    2. Formas
    3. Texturas
    4. Composição: dominância; contraste; equilíbrio; proporção; harmonia; ritmo; unidade

  - Elementos não vegetais:
    1. Muros e cercas;
    2. Caminhos;
    3. Escadas;
    4. Mobiliários;
    5. Vasos e floreiras;
    6. Iluminação;
    7. Cascatas, lagos e espelhos d'água;
    8. Pérgolas e caramanchões;
    9. Gazebos e quiosques;
    10. Obras de arte.

 - Princípios de Design:
    1. Proporção
    2. Forma
    3. Massas e Vazios
    4. Ponto Focal

      " A arte do bom desenho é criar um espaço funcional que cumpra ambas as facetas, um jardim confortável e um aspecto agradável e atrativo. Combinar de um modo lógico ".



 - Para preparar uma estrutura de jardim:
    Para fornecer estrutura e ordem ao plantio, e para ajudar a compor, escolha plantas de acordo com a função que desempenham dentro do projeto geral.
    Portanto, quanto ao planejamento para um programa de plantação, é importante seguir estas 4 categorias:


    * Estruturais - As plantas estruturais servem de fundo verde, e unificam o projeto desempenhando um papel discreto durante todo o ano apesar de passar quase despercebidas, fornecendo também uma defesa contra o vento e normalmente moldando o espaço do jardim.  As plantas a serem consideradas são arbustos e árvores perenes.





    * Especiais - constituem pontos de atração para o desenho do jardim, podendo ser uma planta ou uma obra de arte, são importantes para estabelecer o sentido do olhar dentro do jardim e em torno dele.  Toda planta escolhida como especial deve ter um valor arquitetônico e um bom contorno, para que predomine durante todo o ano.







    * Decorativas - Uma vez estabelecida a posição das plantas especiais e estruturais, devem ser introduzidos os arbustos decorativos com flor, são as plantas que aparecem na frente da estrutura. .  Embora decorativas mais robustas continua a cumprir uma função estrutural, também acrescentam ao jardim uma primeira camada de massa florescida, uma vez que muitos chamam a atenção durante a época em que mostram maior esplendor.




   

    * Acabamentos - O acabamento do jardim pode ser constituído de plantas rasteiras como forrações, contornos e bordaduras e grandes manchas coloridas em canteiros, toda variedade de gramas, cascas, pedras, pedriscos e madeira.












3. APRESENTAÇÃO DO PROJETO


    O anteprojeto será apresentado ao cliente para análises e comentários.  Após esta conversa e possíveis alterações de elementos e espécies, segue para o projeto final chamado de Projeto Executivo.
    Consta na apresentação do Projeto Executivo:
  - Memorial descritivo;
  - Lista de espécies;
  - Planta geral;
  - Planta de detalhes;
  - Planta de cortes;
  - Guia de execução e manutenção.

4. EXECUÇÃO


    A implantação e a manutenção dos jardins poderão ser executadas pelo paisagista que elaborou o projeto do jardim, ou se o cliente preferir, poderá ser elaborado um manual específico para a implantação e manutenção das espécies projetadas.  Esse manual deve orientar a execução do jardim, assim como, sinalizar todos os tratos culturais que as plantas deverão receber após o plantio:
  - execução do jardim;
  - delimitação e plantio dos canteiros;
  - delimitação e plantio de grama;
  - demarcação e abertura de covas para plantio de árvores e arbustos;
  - recomendações gerais.

" Para um projeto dar certo, é necessário contemplar a razão e a emoção."